TOP NEWS

Seja bem-vindo, ou bem-vinda ao meu site! Leia quantos poemas quiser... se possível, deixe seu comentário. Volte sempre!

20 de novembro de 2015

POBRES | POR ANDERSON C. SANDES




Ali tinha um pobre que nada tinha
Acolá, outro pobre, que tudo tinha
Semelhanças?
Ambos nada tinham
Diferenças?
O de ali achava que não tinha
O de acolá sentia que não tinha

Nada eram
Nem se conheciam
Mas se viam
Todos os dias

Dos jornais que o de acolá lia
O de ali se cobria
Dos ossos...
Que era deselegante roer para o de acolá
O pobre de ali, não se acanhava e roía
Um tinha vaidades, outro, coragens
Talvez, tudo o que tinham

Aconteceu que um dia...
Daqueles frios e escuros
Veio a morrer o pobre de ali
Em seu cortejo: muita gente
Gente de rua
Que nada tinham

Por ventura, há poucos dias
Daqueles frios e escuros
Veio a falecer o pobre de acolá
E anulando o clichê social...
Ninguém se deu conta
Faz uma semana e dois dias

Nada eram
Nem se conheciam
Nunca mais se viram
Quem sabe algum dia?

Anderson C. Sandes

....